as horas extraordinárias

«bem fiz em ter por necessárias as horas extraordinárias.», sérgio godinho

Archive for Maio 2009

é coisa para ter ficado zero-zero.

leave a comment »

«Professores: não perderam exactamente, mas também não ganharam.», via Público

Written by Cláudio Vieira Alves

30/05/2009 at 17:05

Publicado em notícias

Tagged with , ,

fim-de-semana, no porto, é cheio como um jantar no restaurante machado.

with 2 comments

Durante este fim-de-semana o portuense poderá contar com diversas actividades, que como se costuma dizer são, para todos os gostos. Alguém com gostos alargados, ou que simplesmente tenha tempo para tal, poderá passar por todos estes locais sem gastar um único cêntimo em ingressos.

O programa das festas conta com algumas visitas à 6ª. edição do Serralves em Festa que, como se costuma dizer, tem cultura para todos e ainda cabem lá, depois disso, mais alguns. São 40 horas que ininterruptamente abarcam a totalidade das expressões artísticas desde as artes visuais passando pela música e até ao circo. Este ano a Fundação de Serralves celebra, ainda, os seus 20 anos de Fundação e os 10 anos do Museu. Portanto, tudo num ambiente de festa que se vive e que se assegura ser, pelo menos, um excelente passeio pelos Jardins de Serralves constantemente estimulado pela visão e audição de diferentes eventos.

[ Vídeo: “Serralves em Festa”, por Serralves ]

Por sua vez, e desde o dia 28 de Maio, em Santa Maria da Feira, decorre o Imaginarius: a 9ª. edição do festival internacional de Teatro de Rua. Ora, desde bem cedo e até às 3 da manhã o visitante pode passear por uma diversidade de eventos a decorrer simultaneamente em diversos espaços e locais daquela que tem feito história ao ser, culturalmente, uma das Vilas mais activas. Praticamente, todos os espectáculos – regra geral, de duração inferior a 60 minutos – são de entrada gratuita e posso, pessoalmente, garantir boas descobertas e um excelente nível que se estende desde a representação até aos workshop.

[ Vídeo: “Apresentação Imaginarius 2009”, por Feira Viva ]

No Domingo, dia 31 de Maio, durante a tarde – e, seguramente, para algo completamente diferente, decorre a Festa da Criança no Parque da Pasteleira. Pelas 15 horas, Carlos Vidal – na pele de Avô Cantigas desde 1982 – (en)canta com os velhos e os novos temas que interpreta. Sendo que com o recente álbum “Fantasminha Brincalhão” o Avô (mais parecido com Vital Moreira, desde sempre) tenha introduzido a electrónica, o autor de “Come a sopa, vá lá” ainda possui a mesma postura com que criou a personagem no, bem velhinho, programa de televisão Passeio dos Alegres.

[ Vídeo: “Come a sopa, vá lá”, por Avô Cantigas ]

Finalmente, e porque ao contrário de Cláudio Ramos, até acredito nos perigos do não-investimento, fica a sugestão de uma visita aos descontos na Stock Fashion – feira com descontos em roupa e calçado a decorrer no dia 30 e 31 de Maio na Alfândega do Porto. Mas, principalmente, a sugestão de, após o almoço e até  às 23 horas – durante o fim-de-semana – fazer uma visita à Feira do Livro do Porto que decorre, agora renovada e nos Aliados, até 14 de Junho. Com diversas actividades, lançamentos e promoções especiais que poderão ser seguidas a partir do site oficial desta 79ª. edição ou, mesmo, no blogue ou no twitter.

Em suma: literalmente, um bom fim-de-semana!

ordenam que os amem: mundo cão!

with one comment

Mundo Cão são, no panorama do promissor rock português, das poucas bandas de sonoridade gravemente eficaz e de uma criatividade versátil que ultrapassa, conscientemente, as barreiras do suposto alternativo. Ultrapassa para, e roçando-o alegremente, abarcar tudo e todos sem perder a viagem de culto às cores que a música pode ter numa madrugada mais escura.

Assumidamente partilham o génio musical da composição de Miguel Pedro e Vasco Vaz (compositores dos Mão Morta) com as letras de Adolfo Luxúria Canibal (vocalista e letrista dos Mão Morta). Recentemente, as líricas são, também, partilhadas pelo punho de Valter Hugo Mãe. Com todos estes nomes, claro!, o resultado só poderia ser assinalável.

A voz de Pedro Laginha assenta que nem uma luva, e é a cereja no topo do bolo, de uma formação composta pelo baterista Miguel Pedro, o inventivo guitarrista Budda, o homem dos diversos intrumentos Vasco Vaz e o baixista Canoche.

Esta foi justamente a banda-revelação de 2007 e com o novo álbum “Geração da Matilha”, a banda de “Morfina” reforça a sua posição no mercado. Cantam um Mundo Cão, que é o deles. E se o aceitarmos – porque a aceitação é quase sempre o primeiro degrau da cura – o nosso, também.

O seu recrutamento de elementos para a “Geração da Matilha” acontece, para já, com as seguintes datas anunciadas:

06 Junho: Theatro Circo – Braga

13 Junho: Santa Iria da Azóia

03 Julho: Ovar

10 Julho: São João da Madeira

16 Julho: Vila Real

14 Agosto: Manique do Intendente

 

Cartaz de promoção do concerto dos Mundo Cão, no Theatro Circo.

Cartaz de promoção do concerto dos Mundo Cão, no Theatro Circo.

 

Anseio, pois, pelo concerto de 6 de Junho, no Theatro Circo, em Braga – concerto onde os Mundo Cão se movimentarão em terreno querido e conhecido . Espera-se um excelente espectáculo pela modesta quantia de € 7.

Até lá, fique-se com o videoclip do primeiro single “Ordena que te ame”, do novo álbum “Geração da Matilha”.

[ Vídeo: “Ordena que te ame”, por Mundo Cão ]

Written by Cláudio Vieira Alves

28/05/2009 at 18:00

Publicado em concertos, música

Tagged with , ,

«você está aqui, sistematicamente, a fazer acusações. um jornalismo disfarçado de entrevista.»*

leave a comment »

«A TVI, mais concretamente algumas das suas emissões do Jornal da Noite de sexta-feira, foi condenada pelo Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social por “desrespeito de normas ético-legais aplicáveis à actividade jornalística”. (…) Ao todo entraram na ERC dez queixas, apresentadas por cidadãos entre 16 de Fevereiro e 30 de Março de 2009, que visavam, entre outras, as edições do Jornal da Noite de 30 de Janeiro, 13 de Fevereiro, 1 de Março e 27 de Março.», via Público

* ainda no rescaldo do episódio entre Manuela Moura Guedes e Marinho Pinto – que tenha, pelo menos, servido para uma maior mediatização e debate público do pretenso-jornalismo da informação da TVI, já não é mau.

Written by Cláudio Vieira Alves

28/05/2009 at 14:21

skunk anansie, em versão best of, voltam aos coliseus em 2009.

leave a comment »

Os Skunk Anansie formaram-se em 1994 e – apesar da saída do baterista original, Robbie France, nos seus primeiros passos musicais – estiveram juntos até 2001. Foram, e são, reconhecidos como uma das principais bandas de rock britânico e ao longo desses anos editaram 3 importantes álbuns de rock alternativo. O rock deles afirmando-se explosivo e orgulhosamente carregado de raiva consistiu numa abordagem simultaneamente feminista e racista. Se, de diferentes formas, a fórmula do rock tocado pelo metal se encontra nestes álbuns, noutra perspectiva, os Skunk Anansie foram das bandas onde os inventos criativos da electrónica e do processamento de efeitos de um baixo (tocado e reinventado por Cass Lewis) melhor se harmonizam com a fórmula base e o compasso quaternário sujo do rock.

Skin, vocalista dos Skunk Anansie.

Skin, vocalista dos Skunk Anansie.

Posteriormente ao rompimento com a banda, a vocalista e líder Skin – de uma voz aguda, com muita personalidade e fortemente reconhecível por todos os adeptos de diferentes quadrantes musicais – ainda procurou traçar o seu caminho de um modo solitário. Porém, acabou por viver durante estes últimos anos na sombra dos Skunk Anansie e mesmo nas suas prestações ao vivo – onde sempre teve uma tendência para desafinar – era ao recordar as músicas da banda de “Charlie Big Potato” que conseguia obter uma plateia vibrante. Apesar dos seus desafinos, honra lhe seja feita, é notável a forma explosiva e viva como Skin vive o palco e consegue transportar a sua audiência para o que nele se passa.

Actualmente, aproveitando o lançamento de um “Greatest Hits” e de um revivalismo dos anos 90 que tem feito diversas bandas reunírem-se (Guano Apes, Limp Bizkit, etc), os Skunk Anansie voltam a juntar-se partilhando as mesmas intenções musicais e unidos em torno da mesma banda que os viu crescer e ganhar notoriedade como músicos. Espera-se que, actualmente, possuam a mesma criatividade de outrora e que permaneçam movidos por o politicamente incorrecto ao invés de, apenas, as comuns e fatais aspirações financeiras.

Nesta digressão da colectânea de sucessos poderemos comprovar a sua forma e conteúdo pois os Skunk Anansie passarão, também, por Portugal nos dias 3 e 4 de Novembro de 2009, pelos Coliseus de Lisboa e do Porto, respectivamente. Os ingressos custam entre € 28 e € 34 e já estão disponíveis para aquisição.

Recorde-se como um bom exemplo (um dos muitos possíveis!) da electrónica suja dos Skunk Anansie  o tema “Twisted (Everyday Hurts)”, do segundo álbum “Stoosh” de 1996.

[ Vídeo: “Twisted (Everyday Hurts)”, por Skunk Anansie ]

Written by Cláudio Vieira Alves

28/05/2009 at 13:27

a precariedade neste país é tragédia digna de filme de terror.

with 2 comments

Written by Cláudio Vieira Alves

25/05/2009 at 20:15

dos eufemismos da política moderna mascarada de demagogia.

with 2 comments

«O cabeça de lista do CDS-PP às eleições europeias, Nuno Melo, defendeu hoje que a política de imigração deve ser “menos flexível” em tempos de crise, quando as economias não são capazes de gerar emprego.», via Público

Written by Cláudio Vieira Alves

25/05/2009 at 17:07

Publicado em notícias, política

Tagged with , ,