as horas extraordinárias

«bem fiz em ter por necessárias as horas extraordinárias.», sérgio godinho

Archive for Agosto 2010

um vídeo por dia, nem sabe o bem que lhe fazia. #26

leave a comment »

Curta-metragem que, para quem reconhece a zona descobrirá com facilidade foi gravada na Rua da Boavista, junto a um dos velhos centros comerciais do Porto (e que possui uma diversidade de lojas como uma Queijaria, Loja dos 300$ e uma sala de ensaios onde, em adolescente, transpirei q.b.).

Um filme de Nuno Rocha que, ainda que fique a dever um pouco ao argumento, resulta bem como imagem e, mesmo toda a componente emocional que a música épica permite desde cedo antecipar, acaba por agradar.

Uma curta-metragem desenhada para efeitos de publicidade à LG e que, neste contexto,  entusiasma. Ainda assim, fica a dever a um dos episódios de Mad Men (vale a pena clicar na ligação e espreitar a cena a que me refiro)— para mim, o melhor de todos até à data —, que parte, precisamente, da motivação e construção de uma manobra publicitária a um projector de slides da Kodak utilizando, em simultâneo, um conceito básico da imagem e de qualquer venda: registo e tratamento de emoções.

[ Vídeo: “Momentos”, uma curta-metragem de Nuno Rocha ]

Written by Cláudio Vieira Alves

30/08/2010 at 12:39

já não tem rock no nome, mas ainda é um ritual ir a este festival.

with 4 comments

Hoje e amanhã (dia 26 e 27 de Agosto, respectivamente), e até ver ainda nos Jardins do Palácio de Cristal, como todos os anos, decorrem as Noites Ritual.

Cartaz das Noites Ritual 2010.

Cartaz das Noites Ritual 2010.

Mantendo, como nas anteriores e mais recentes edições, um cartaz diversificado, o Festival histórico do Porto concentra, em dias diferentes, públicos-alvos distintos. É, no entanto, um cartaz sólido (constituído, também como sempre, por música nacional), com que se fecha o último fim-de-semana de Agosto. Os diferentes nomes, e os palcos afastados, permitem que, durante as próximas duas noites, a noite se faça passeando ora pelo jardim, ora pela assistência aos dois palcos. A entrada é livre e os concertos começam a partir das 21h30min..

Espreitar o pop-swing d’ Os Tornados, a cowboyada de Samuel Úria, o rock-folclórico-e-cada-vez-mais-competente do Diabo na Cruz, bem como as histórias e multiplicidades do Anaquim convence a marcar presença na primeira noite. Na segunda noite, espreitar ao vivo as vozes ásperas e americanizadas de Sean Riley e John is Gone poderão bastar como bilhete de ida, mas é o lendário Tiger Man que trazendo a palco o álbum Femina acrescenta a motivação para estar presente.

[ Vídeo: “Não arrastes o meu caixão”, por Samuel Úria ]

Seguem os nomes em cartaz, os palcos e os horários de cada um dos concertos:

SEXTA, 27 AGOSTO

21h30 | SALTO | PALCO RITUAL
22h05 | OS TORNADOS | PALCO 1
22h55 | SAMUEL ÚRIA | PALCO RITUAL
23h35 | DIABO NA CRUZ | PALCO 1
00h30 | ANAQUIM | PALCO RITUAL
01h15 | OQUESTRADA PALCO 1


SÁBADO, 28 AGOSTO

21h30 | UNOESKIMO | PALCO RITUAL
22h05 | SEAN RILEY & THE SLOWRIDERS | PALCO 1
22h55 | TIGUANA BIBLES | PALCO RITUAL
23h30 | THE LEGENDARY TIGERMAN | PALCO 1
00h35 | JOHN IS GONE | PALCO RITUAL
01h15 | SLIMMY | PALCO 1

ontem acordei ortograficamente espirituoso mas foneticamente incompetente.*

with 2 comments

Ontem assistia, impávido, a uma discussão sobre a adopção da imprensa ao acordo ortográfico.

Ele 1: O caso do “facto” é absurdo, por exemplo.

Ele 2: Esse é. Mas… Então, “hoje” tem ou não tem o “h”?

Eu: “Hoje” não vos sei responder. Mas, se me tentarem perguntar “amanhã”…

Ele 1 e Ele 2: … Hã?!

* ou: as minhas piadas resultariam tão melhor num filme mudo com legendas.

Written by Cláudio Vieira Alves

20/08/2010 at 19:45

de cem soldos não sopram ventos, mas casam-se bons sons.

with 2 comments

A partir de amanhã, 20 de Agosto, e até ao final do dia 22 de Agosto, a aldeia de Cem Soldos, perto de Tomar, revira-se em aldeia-festival para a segunda edição do Festival Bons Sons.

Cartaz do Festival Bons Sons 2010

Cartaz do Festival Bons Sons 2010

Ao longo do fim-de-semana, e pelos diversos espaços preparados por esta aldeia, (en)cantam alguns nomes da música portuguesa. O nome pesado é — espantem-se os que lhe seguem a carreira! — Fausto Bordalo Dias. Com reduzidas aparições públicas e, ainda mais, raríssimos espectáculos inseridos em Festivais, é este o compositor presente que mais me motiva a arrancar para Cem Soldos. Mas, este Festival não se fica por um só nome como cabeça de cartaz e traz a palco outras raridades e experiências sonoras como a voz marcante de Lula Pena e a guitarra talentosa de Norberto Lobo.

Nos novos trilhos da música tradicional portuguesa escutar-se-à, ainda, os contagiantes acordes de Diabo na Cruz e o humor e ironia das letras pouco luso-baladeiras, mas muito inspiradas, de B Fachada. (No espaço do último mês assisti a dois espectáculos onde Fachada, a par de apresentar o novo “Há Festa na Moradia”, passou por temas inéditos com a mesma frescura com que voltou aos seus anteriores 3 discos. Concertos dignos, quer acompanhado por contrabaixo e bateria quer a solo, e sempre de se lhe tirar o chapéu.

[ Vídeo: “Os discos de Sérgio Godinho”, por B Fachada e Sérgio Godinho ]

Com Dazkarieh e Danças Ocultas os argumentos somam-se. Tanto que, a dada altura, a exibição do documentário “SIGNIFICADO — A música portuguesa se gostasse dela própria” é só mais um importante motivo para assistir a este festival. É, a par dos cartazes da Festa do Avante! (honra lhe seja feita, desde sempre celebrando, simultaneamente, os nomes novos e os mais antigos da música portuguesa), um festival de música nacional por excelência. E é um desfile musical de tal tamanho que dá vontade de cochichar: “caraças!, não é isto — finalmente! — a música portuguesa a gostar de si própria?”.

[ Vídeo: “SIGNIFICADO — a música portuguesa se gostassse dela própria”, o trailer ]

O passe para os 3 dias custa 10 euros (inclui campismo gratuito) e está à venda nos sítios do costume.