as horas extraordinárias

«bem fiz em ter por necessárias as horas extraordinárias.», sérgio godinho

Archive for Setembro 2009

as reacções das mulheres vistas à transparência.

leave a comment »

Com esta moda das roupas transparentes — agravada pelos tradicionais decotes — acabo por passar por situações telepáticas. É que, tanto eu como as mulheres-munidas-de-roupas-transparentes e observadas acabámos, invariavelmente, a pensar exactamente a mesmíssima coisa. Um “estou-te a ver” mentalmente partilhado, mas pronunciado com diferentes entoações.

Written by Cláudio Vieira Alves

28/09/2009 at 15:30

ou de como nos livramos da manuela ferreira leite.

leave a comment »

«”Foi a vitória de uma campanha feita pela positiva, em nome de um projecto”, repetiu José Sócrates. “O povo valorizou a atitude de quem não se candidatou contra ninguém, mas para servir Portugal e os portugueses, a atitude de quem mostrou confiança no futuro e ambição para o país. Foi a vitória da decência e elevação na política”, sublinhou.», via Público

Written by Cláudio Vieira Alves

28/09/2009 at 11:24

um vídeo por dia, nem sabe o bem que lhe fazia. #07

leave a comment »

Porque a nossa Comissão Nacional de Eleições não foi feliz na campanha de marketing “Escolhe Votar” prefiro, e tal parece-me apropriado, recorrer a este vídeo — da campanha “Get Out and Vote” que, provavelmente, a maioria recordará como uma das melhores campanhas para esse efeito, decorrida do lado de lá do Atlântico, e que o Arrastão me fez relembrar.

Sim, claro, isto a respeito das Eleições Legistalativas que decorrem hoje. Se ainda não o fizeram, façam o favor de não ser armarem em parolos e de colocarem esse esqueleto, o mais rápido possível, na vossa mesa de voto.

[ Vídeo: “Get Out and Vote” ]

Written by Cláudio Vieira Alves

27/09/2009 at 17:03

como as mulheres sabem, mesmo, (re)definir os conceitos mais simples, de uma só assentada.

leave a comment »

No autocarro, nos bancos à minha frente, duas mulheres desabafam uma com a outra:

A estável: Porque, tu sabes, eu sou estável e bastante calma.
A amiga: Sim, eu sei.
A estável: Sei ser amiga das minhas amigas. Como tu.
A amiga: Isso é verdade.
A estável: A Ana não. Como, por exemplo, naquela vez em que me zanguei com o meu marido e saí de casa. Aí tu deixaste-me dormir em tua casa e…
A amiga: Falas de… Quando? Qual das vezes? No Verão?
A estável: Não. Ano passado.

Written by Cláudio Vieira Alves

25/09/2009 at 19:52

um vídeo por dia, nem sabe o bem que lhe fazia. #06

leave a comment »

Este é um vídeo para o amante da estrada. Ou o apreciador de fotografia. Para quem gosta de um bom trabalho criativo. Em suma — e para não me estender por aí, naqueles trocadilhos parvos que me assombram a mente — este é um vídeo para gente de bom gosto.

Este é um vídeo que retrata, em fotografia, uma viagem entre Lisboa e Porto. As fotografias foram disparadas com intervalos de 5 segundos e a técnica utilizada consiste em time-lapse photography. Sobrou, assim, de 3 horas de viagem e de 323 km percorridos, um vídeo com pouco mais de 2 minutos.

[ Vídeo: “Uma viagem de Lisboa a Porto”, por Marcel Schmitz ]

Written by Cláudio Vieira Alves

25/09/2009 at 12:40

e o leitor aí ao fundo calado: pensa votar em quem?

with 2 comments

Estamos, praticamente, a chegar às Eleições Legislativas — já no próximo dia 27 de Setembro de 2009. Sim, possuo a certeza que todos vocês, os leitores deste blogue, irão votar. Mas, e motivado pela habitual torrente de sondagens, sobra-me a curiosidade de descobrir por onde se repartem politicamente os habituais visitantes. Assim, com a maior margem de erro que este Portugal já viu, aqui fica: a minha humilde sondagem.

Votem, à vontade. Não guardo o IP de ninguém e, sim, é apenas estatístico tal como, absolutamente, secreto. Quem pretender partilhar o seu manifesto de voto, utilize a caixa de comentários.

Obrigado.

Written by Cláudio Vieira Alves

24/09/2009 at 18:45

quando foi que decidimos confundir a frieza do betão com antipatia urbana?

with 2 comments

Disparo, velozmente, um sincero “boa tarde” à senhora desconhecida do elevador. Faço-o, (ir)reflectidamente, numa mistura de protocolo social experimentado das vendas, com bons hábitos e sentimentos altruístas. Quando saio no piso 3 — o piso que é meu só de nome — ouço a criança perguntar à Mãe: «Quem é o senhor?».

Written by Cláudio Vieira Alves

23/09/2009 at 19:09