as horas extraordinárias

«bem fiz em ter por necessárias as horas extraordinárias.», sérgio godinho

royal albert hall ou como uma lamechice influenciou os concertos de rock.

with 2 comments

Quando a Raínha Vitória decidiu inaugurar o edifício que o Príncipe Alberto tinha arquitectado para ser o The Central Hall of Arts and Sciences estava a borrifar-se para o rock. Ou, pelo menos, para o bom gosto.

Sou desta opinião por vários motivos, dos quais o principal — e mesmo dando de barato o argumento de que em 1871 nem sequer havia possibilidade de Vitória conhecer o rock —  é que a Rainha escolheu um nome para este edifício com base em pura lamechice. Sim, a escolha de Royal Albert Hall of Arts and Sciences foi, na realidade, orientada apenas pela morte do seu amado Albert. Foi tanto assim que, com o dinheiro que sobrava da construção sonhada por Albert, e não bastando alterar o nome que Albert tinha arquitectado em vivo, decidiu sublinhar a lamechice ordenando erguer, mesmo do lado de lá da rua onde está a sala de concertos, um Albert Memorial.

E, se bem vistas as coisas, o nome Royal Albert Hall até é aceitável, a verdade é que o Albert Memorial é, na opinião de qualquer pessoa mentalmente sã, a pior coisinha que alguma vez aterrou em Londres. E, concordemos todos neste aspecto — mesmo os que apreciam a cruz do santuário de Fátima —, quem constrói um Albert Memorial banhado a ouro está-se a borrifar para o bom gosto e, consequentemente, para o rock.

Albert Memorial

"Albert Memorial", o monumento de homenagem a Prince Albert (Londres).

Royal Albert Hall

Mas, no caso da obra que Albert não chegou a inaugurar, ficou um imponente edifício, uma belíssima arquitectura e uma construção atenta ao detalhe. Sobreviveu a ataques da 2ª. Guerra Mundial, ao tempo, ao abandono, à falta de financiamento e, depois de várias renovações, foi elevado a caso de estudo mundial de acústica, recebeu milhares de concertos únicos e é, indiscutivelmente, uma das salas mais icónicas do rock internacional. E, para mim, isso basta e anula toda a lamechice da Rainha.

Aliás, se num prato da balança pousar The Who, Led Zeppelin, The Beatles, Elton John, Sting, Chaka Khan, Eric Clapton, Bob Dylan, Pink Floyd, etc, fica fácil esquecer o que pretendia incialmente colocar no prato oposto.

Esta sala acumulou tantos nomes, e tantos concertos brilhantes a que acabei por assistir (felizmente, existem vários registos em vídeo), que este auditório-coliseu era, para mim, um dos principais destinos turísticos.

Arrepiei-me quando visitei o Royal Albert Hall como me arrepio com algumas canções. E, sempre que revejo momentos em que as canções casam com a sala e com o público, entusiasmo-me outra, e outra vez. E, dos registos em vídeo desta mesma sala, quer me emociono com o público de 1971 (ver, por exemplo, Led Zeppelin aqui), quer me arrebata o público de 2009 (ver, com atenção, o seguinte vídeo a partir dos 3 minutos). A mesma sala, mas um público contrastante.

[ Vídeo: “Jenny was a friend of mine”, por The Killers — ao vivo no Royal Albert Hall, 2009 ]

E, a esta altura questiona-se legitimamente o leitor: isso de arrepiar com a música não é um bocado lamechas?

Respondo: é, pois. Mas, pelo menos, não leva talha dourada.

Anúncios

Written by Cláudio Vieira Alves

20/08/2011 at 08:28

abril é de sempre, como abril é de todos.

leave a comment »

Written by Cláudio Vieira Alves

25/04/2011 at 23:32

Publicado em fotografia

Tagged with , , , ,

todos à queima das fitas.

leave a comment »

Eu, que nos meus anos finais de estudante nem fui muito de estar presente nas Noites da Queima das Fitas, estarei presente na edição 2011 da Queima das Fitas do Porto só por dois argumentos pesadíssimos: The Divine Comedy e Suede.

Cartaz Queima das Fitas do Porto, 2011.

Cartaz Queima das Fitas do Porto, 2011.

Os concertos decorrem de 1 a 7 de Maio e o resto do cartaz não é nada de se deitar fora — sendo curioso até que as festas académicas apresentem, actualmente, cartazes mais fortes que alguns festivais de verão.

Written by Cláudio Vieira Alves

13/04/2011 at 12:22

isto não é nobre, isto nem sequer é nada.

with 3 comments

«Fernando Nobre [ex-candidato à presidência da república], presidente da AMI, será o cabeça-de-lista por Lisboa do PSD e será indigitado presidente da Assembleia da República se o partido ganhar as eleições.», Público

E vale a pena rever a entrevista de Fernando Nobre, em 1 de Março de 2011, na SIC Notícias.

[ Vídeo: “Fernando Nobre no Jornal das 9 (SIC-N), no dia 1-03-2011)” ]

Written by Cláudio Vieira Alves

10/04/2011 at 19:26

um vídeo por dia, nem sabe o bem que lhe fazia. #38

with 2 comments

O dia 1 de Abril foi, durante muitos anos, o último dia das festividades de passagem de ano  — já que a data de mudança de ano ocorria, por alturas da chegada da Primavera, a 25 de Março.

Com a implementação do calendário gregoriano, em 1564, pelo Rei Carlos IX de França, e a transferência do primeiro dia do novo ano para 1 de Janeiro, muitos foram os Franceses que resistiram a essa modernidade e continuaram a celebrar o dia 1 de Abril como o último dia das festas de passagem de ano. Esta resistência à mudança por um grupo de pessoas motivou os restantes franceses, que estavam em concordância e que transitaram para o novo calendário, a inventar partidas que ridicularizassem os mais conservadores.

Reza a lenda que foi assim que, quase 500 anos depois, muitos dos Países Ocidentais passaram a celebrar o dia 1 de Abril como o Dia das Mentiras.

Ora, neste dia, uns fazem melhores partidas do que outros. Mas, o caso deste jornalista da FOX 5 que, depois de uma falsa peça jornalística a explicar a tecnologia que torna possível que um iPad emita sabores e cheiros, convence a sua colega de profissão e de programa a lamber um iPad em directo tem graça. Lá isso, tem.

[ Vídeo: “Pivôt prega partida a colega em directo”, por Fox 5 ]

Written by Cláudio Vieira Alves

06/04/2011 at 14:32

clássicos de futebol e os classificados.

leave a comment »

A respeito disto.

Classificados: Procura-se Electricistas para Estádio da Luz.

Written by Cláudio Vieira Alves

05/04/2011 at 13:05

levantar o pó à estrada.

leave a comment »

(ouvir “da vertigem sou mendigo”, por mundo cão, aqui)

Written by Cláudio Vieira Alves

29/03/2011 at 11:45