as horas extraordinárias

«bem fiz em ter por necessárias as horas extraordinárias.», sérgio godinho

a minha vida dava um jingle. #15

with 4 comments

Piso, determinado, a Rua — que merece a letra capital no seu nome.

Rua de Santa Catarina, fotografia de Carlos Romão.

Rua de Santa Catarina, fotografia de Carlos Romão.

Relembro que aqui, em Santa Catarina, no final da adolescência, e atirado a um tempo que me sobrava, por excesso, decidi queimar tempo atirando inconsequentes beatas entre diálogos nem por isso menos inconsequentes.

Nessa altura: as doenças não existiam e nenhum amigo pensava sequer em emigrar. Isto era, para mim, tão certo como a impossibilidade de um Verão agradável para lá da praia de Muros. Mesmo os dias brilhantes, em que os sentia como escuros, são hoje, na nostalgia, amarelos como os blitz das terças-feiras.

Estou distorcido como esta guitarra e não foi assim que o pensei. Não é nada disto mas, sim!, a dormência que me pesa nos pés que me leva a desembarcar ali, ao lado da Roma Megastore. Bom, dessa apenas sobrou a fachada e as saudades de uma desorganização que me fascinava na surpresa dos preços baixos dos discos.

Porém, disto tenho a certeza: o hábito — e quão estranho pode soar isto a quem nunca o pensou? — de medir a distância temporal em quantidade de músicas, permanece. Estou, neste momento sinto-o assim, vestido de um monocromático grunge: numa rua que mede a distância de uma boa e intemporal melodia. E espreito o número da faixa. Já demorei, quase, um álbum desde que parti de casa.

E, com o peso de uma batida quaternária, espreito sobre o ombro, junto à Batalha, toda a extensão da Rua do meu primeiro emprego. Já lá vão dez anos desde que tive o primeiro contacto com o trabalho. Uma famosa hamburgueria, onde desculpava a gordura alojada nas narinas com o proveito de rendimentos que me serviram para construir a maioria da discoteca que hoje, ainda, orgulhosamente estimo e possuo.

Já lá vão mais de dez anos desde que descobri: os dias de sol também podem ser dias pretos.

[Audio: “Fell on Black Days”, por Soundgarden ]
[ um vídeo, ao vivo, pode ser visto aqui! ]
Anúncios

Written by Cláudio Vieira Alves

07/07/2009 às 11:30

4 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. De minha casa à FEUP é um album de sara tavares + uma ou duas músicas dos kings of convenience! Não falha!

    Inês Carvalho

    07/07/2009 at 17:12


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s